.links

.posts recentes

. A derrota

. Março de 2007. Lembram-se...

. O Estado a que chegámos

. O próximo passo

. Não será um caso de imped...

. O futuro está aí.

. Será que já batemos no fu...

. Uma acção de formação

. Três notas soltas

. Terminar a tarefa

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. (des)informação

. 1º ciclo

. aulas de substituição

. autarquias

. avaliação

. avaliação dos professores

. boatos

. carreira docente

. conselho das escolas

. conselho pedagógico

. dizer bem

. educação para a saúde

. educação sexual

. eduquês

. encarregado de educação

. ensino básico

. ensino secundário

. escola

. escolaridade obrigatória

. exames

. faltas dos professores

. gestão escolar

. horários

. indisciplina

. informática

. josé sócrates

. josé socrates

. manuais escolares

. ministério da educação

. ministra da educação

. política

. políticos

. professores

. programas

. prolongamento do horário

. provas de aferição

. rede escolar

. reuniões intercalares

. sindicatos

. sócrates

. tlebs

. violência nas escolas

. todas as tags

Quarta-feira, 13 de Setembro de 2006

Encerramento das escolas no 1º ciclo

Por vezes vemos na televisão imagens dos chamados países do terceiro mundo em que a “sala” de aulas das crianças é na rua, onde o “quadro” do professor é o pó do chão, ou onde mesmo existindo sala não há cadeiras.Com alguma frequência somos observadores destas situações.

Agora imaginemos que vemos os alunos a levarem um prato de casa e a comerem na mesa onde têm as aulas, para depois voltarem a colocar lá os livros.

Não! Não vi essas imagens. Apenas ouvi a descrição feita hoje no telejornal da RTP 1.

Não! Não é no terceiro mundo! É em Portugal.

Sobre este caso só mais um acrescento. Tendo em conta a gratuitidade do ensino básico, do 1º ciclo no caso presente, nessa mesma notícia era referido que a câmara municipal exigia 1 euro e 38 cêntimos por dia a cada aluno para fornecer o almoço.

Não ponho em causa a necessidade de encerrar algumas escolas, mas faça-se esse fecho quando houver condições para que isso ocorra.

publicado por Paulo às 23:00
link do post | favorito

Nem tudo o que parece é!

Perante  a informação prestada, sem qualquer quantificação e explicação, a notícia apenas me sugere um comentário: dividir para reinar.

publicado por Paulo às 15:58
link do post | favorito
Domingo, 10 de Setembro de 2006

Os salários dos professores

Algo não bate certo nos estudos estatisticos que são feitos.

Em Setembro de 2004  houve esta notícia.

Relativamente aos mesmos países saiu hoje esta.

De 2004 até hoje, os professores como todos os outros funcionários públicos, viram os seus salários praticamente congelados, e desde Setembro de 2005 que ninguém progride na carreira docente.

Também não há notícia de que nos restantes países das listas haja ocorrido um abaixamento generalizado dos salários dos docentes.

Perante estes factos, uma das conclusões dos estudos tem que ser  falsa.

Como é óbvio também podem ser as duas falsas.

publicado por Paulo às 01:11
link do post | favorito
Sábado, 2 de Setembro de 2006

Parece uma brincadeira

Pretendi encontrar o programa de Ciências Fisico-Químicas para o 7º ano de escolaridade.

Depois de bastante tempo a clicar em ligações do sítio do Ministério da Educação, e de outros sítios onde é possível ler os diferentes programas, apenas encontrei dois documentos relacionados com esta disciplina, que forma uma área curricular disciplinar juntamente com as Ciências Naturais.

Os documentos designam-se por Currículo Nacional-Competências Essenciais e Programa/Orientações curriculares.

Não se consegue ler em qualquer dos documentos, embora se fique com uma ideia da globalidade do programa, aquilo que os alunos deverão aprender em cada ano.

Será que é segredo de estado?

Para saber o que deveria ser dado no 7º ano utilizei outro truque: pesquisei em sítios de editoras e consegui ler o índice de alguns manuais.

Não sendo professor do ensino básico, fiquei com algumas dúvidas.

Os professores têm que consultar os manuais adoptados para saberem que matéria devem leccionar?

São os autores dos manuais que decidem a matéria a leccionar em cada ano?

Pode cada escola, ou professor, leccionar os conteúdos que lhe aprouver em cada ano?

Se um aluno tiver que mudar de escola, e isso é cada vez mais frequente devido à volatilidade dos empregos dos encarregados de educação, sujeita-se a não ter acesso a todos os conteúdos?

Para terminar fica só mais uma pergunta.

Como é possível que isto continue assim?

publicado por Paulo às 23:37
link do post | favorito

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30