.links

.posts recentes

. A exigência segundo Sócra...

. O fecho do país

. Mas esta gente já viveu n...

. Sócrates: o que sabe tudo

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. (des)informação

. 1º ciclo

. aulas de substituição

. autarquias

. avaliação

. avaliação dos professores

. boatos

. carreira docente

. conselho das escolas

. conselho pedagógico

. dizer bem

. educação para a saúde

. educação sexual

. eduquês

. encarregado de educação

. ensino básico

. ensino secundário

. escola

. escolaridade obrigatória

. exames

. faltas dos professores

. gestão escolar

. horários

. indisciplina

. informática

. josé sócrates

. josé socrates

. manuais escolares

. ministério da educação

. ministra da educação

. política

. políticos

. professores

. programas

. prolongamento do horário

. provas de aferição

. rede escolar

. reuniões intercalares

. sindicatos

. sócrates

. tlebs

. violência nas escolas

. todas as tags

.número de visitas (desde 25/03/06)

Free Website Counter
Free Website Counter
Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2007

A exigência segundo Sócrates

O senhor primeiro-ministro agitou ontem na Assembleia da República números e mais números para demonstrar que está a fazer tudo bem na educação.

As estatísticas apenas convencem quem “ está de fora” e não conhece o que se passa no terreno, mas, se apenas as estatísticas fossem válidas, por que deveríamos criticar os ditadores que se reelegem com 98% de votos?

Porque sabemos que há algo mais para lá dos números que nos apresentam à frente.

José Sócrates não vê o que está mais além. Não sei se não quer ou se não consegue. Fico com a dúvida pois ele não me consegue esclarecer.

O seu entusiasmo com as Novas Oportunidades é confrangedor.

Ele acha mesmo que existe exigência?

Acredita mesmo que vai resolver o problema da qualificação desta forma estatística, com o aumento de diplomados com o 12º ano?

E os conhecimentos? Qual é valor acrescentado?

No momento em que saíram mais resultados do PISA que nos continuam a colocar no fim da lista, e em que os analistas se esquecem do factor “atitude dos alunos e dos encarregados de educação face à escola”, desafiava o senhor primeiro-ministro a fazer um teste do mesmo tipo, com as adequações necessárias, a quem obtém o diploma através das Novas Oportunidades, a jóia da coroa deste governo no sector da educação. Veríamos então se ele não ficaria engasgado sempre que pronunciasse a palavra exigência. Talvez então percebesse a diferença entre validar competências  e adquirir competências.

O que se passa neste momento com as Novas Oportunidades não tem nada de diferente em relação ao que ocorreu a seguir a 1986 com os cursos de formação profissional. Milhares de cursos inúteis, com milhares de formandos que corriam os diferentes cursos, especializando-se em inúmeras áreas que não lhes serviram para nada.

Os formadores ganharam muito dinheiro, as instituições que promoveram os cursos também ganharam, e os formandos que iam correndo o país foram vivendo dos subsídios que recebiam.

O que ficou dessa avalanche formadora?

O que vai ficar desta avalanche certificadora?

publicado por Paulo às 10:13
link do post | favorito
|
Quinta-feira, 22 de Março de 2007

O fecho do país

Quando se lê o documento, Programa de modernização do parque escolar do Ensino Secundário, começa-se a compreender as atitudes deste governo e a percepção que eles têm do país.

Repare-se na calendarização:

1º Lisboa e Porto

2º Lisboa e Porto

3º O resto

Atente-se no discurso que José Sócrates fez e onde refere :

“fazer escolas de referência que sejam um orgulho para as cidades”

Fica patente a política de ordenamento territorial do país: cidades, grandes cidades… e mais nada: O resto do país vai fechando: escolas, hospitais, maternidades,...  e tudo o que mais se seguirá.
publicado por Paulo às 19:35
link do post | favorito
|
Quinta-feira, 18 de Janeiro de 2007

Mas esta gente já viveu neste país?

Este é o comunicado do Conselho de Ministros

3. Decreto-Lei que altera o actual regime sobre a justificação da doença e respectivos meios de prova aplicável aos funcionários e agentes da administração pública, previsto no Decreto-Lei n.º 100/99, de 31 de Março

Este diploma, hoje objecto de aprovação final, visa uma aproximação do regime estatutário da função pública ao regime geral de protecção social na eventualidade da doença, no que à certificação da incapacidade temporária para o trabalho diz respeito.

Com efeito, enquanto que na administração pública a comprovação da doença por atestado médico tem o duplo efeito de justificar a falta ao serviço e de permitir o abono das remunerações legalmente devidas, já no sector privado este documento apenas serve para justificar, perante a entidade patronal, a ausência ao trabalho, não constituindo meio idóneo e suficiente para desencadear o pagamento do subsídio de doença, substitutivo da retribuição. Nestas condições, torna-se necessário aperfeiçoar o regime aplicável, de modo a que o meio de prova a apresentar possa continuar a ter o duplo efeito que se pretende salvaguardar.

Assim, com este Decreto-Lei procede-se à alteração do actual regime sobre a justificação da doença e respectivos meios de prova aplicável aos funcionários e agentes da administração pública, passando a estabelecer-se como único meio de prova idóneo para justificar as faltas por doença uma declaração emitida pelas entidades competentes do Serviço Nacional de Saúde, por médico privativo dos serviços que dele disponham, por médico de outros estabelecimentos públicos de saúde e por médicos que tenham acordos com qualquer dos subsistemas de saúde da Administração Pública.

 

Será que estes senhores  e estas senhoras sabem que numa grande parte dos centros de saúde o doente não consegue consulta no próprio dia a não ser que vá de madrugada para a fila?

Estes senhores e estas senhoras vão obrigar-me a faltar dois dias, o dia do doença e o outro a seguir em que eu finja estar doente, mas que será aquele em que conseguirei consulta, para assim poder arranjar um atestado que justifique a falta?

Estes senhores e estas senhoras estão a obrigar-me a faltar mesmo que eu já não esteja doente?

Mas estes senhores e estas senhoras sabem alguma coisa sobre o país?

Nunca me apeteceu tanto repetir o famoso desabafo de Pinheiro de Azevedo.

Embora não o escreva estou a dizê-lo repetidamente.

 

publicado por Paulo às 16:18
link do post | favorito
|
Terça-feira, 4 de Abril de 2006

Sócrates: o que sabe tudo

O primeiro-ministro tem sempre uma opinião sobre o que está mal e o que é necessário fazer no sistema educativo português. Parece ser especialista em problemas de educação.

Estou farto de ouvir José Sócrates debitar opiniões sobre a educação em Portugal, considerando que se limita a apregoar frases emblemáticas que parecem soar bem, mas que não significam nada e não traduzem a realidade. Já era altura de, sobre a educação e o sistema educativo, revelando alguma humildade, Sócrates dizer: só sei que nada sei.

sinto-me:
tags:
publicado por Paulo às 15:30
link do post | favorito
|

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30