.links

.posts recentes

. Educação Física no Ensino...

. Reestruturação no Ensino ...

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. (des)informação

. 1º ciclo

. aulas de substituição

. autarquias

. avaliação

. avaliação dos professores

. boatos

. carreira docente

. conselho das escolas

. conselho pedagógico

. dizer bem

. educação para a saúde

. educação sexual

. eduquês

. encarregado de educação

. ensino básico

. ensino secundário

. escola

. escolaridade obrigatória

. exames

. faltas dos professores

. gestão escolar

. horários

. indisciplina

. informática

. josé sócrates

. josé socrates

. manuais escolares

. ministério da educação

. ministra da educação

. política

. políticos

. professores

. programas

. prolongamento do horário

. provas de aferição

. rede escolar

. reuniões intercalares

. sindicatos

. sócrates

. tlebs

. violência nas escolas

. todas as tags

.número de visitas (desde 25/03/06)

Free Website Counter
Free Website Counter
Quinta-feira, 24 de Maio de 2007

Educação Física no Ensino Secundário

Pode discutir-se a carga horária na disciplina de Educação Física no Ensino secundário. Há argumentos válidos para as duas opções : um tempo lectivo ou dois tempos lectivos.

O que não faz sentido é a situação existente. Cada escola decide a carga horária a atribuir. Além de ser uma menorização da disciplina,  cria desigualdades aos alunos: por uma lado a avaliação é significativamente diferente naquilo que pode ser avaliado e na forma como se faz a avaliação com uma carga horária que é o dobro de outra; por outro lado as escolas que optam por um tempo lectivo libertam os horários aos alunos. Esses alunos acabam por te mais um turno livre de aulas. Trata-se de um factor de concorrência desleal entre as escolas na captação dos alunos e até talvez com consequências nos resultados obtidos.

Era importante normalizar a situação.

Segundo o comunicado de hoje do Conselho de Ministros, no próximo ano lectivo todas a escolas, (para já parece que apenas a iniciar no 10º ano), funcionarão com a mesma carga lectiva. A opção foi a de obrigar todas as escolas a terem dois tempos. Só não vejo razão para não obrigar a que os outros dois anos do secundário também já não funcionem desta forma no próximo ano lectivo.

Aplaudo esta medida normalizadora, apesar de eu ser um defensor da redução para um tempo lectivo.

Já agora, parabéns aos docentes de Educação Física da minha escola, que sempre se bateram "fortemente" pela inserção dos dois tempos lectivos.

publicado por Paulo às 17:27
link do post | favorito
|
Terça-feira, 6 de Março de 2007

Reestruturação no Ensino Secundário

O  Grupo de Avaliação e Acompanhamento da Implementação da Reforma do Ensino Secundário (GAIRES)  apresentou algumas recomendações, que o “histórico” da actuação do Ministério da Educação aponta que venham a ser seguidas.

Em relação à eliminação da disciplina de TIC, estou totalmente de acordo desde que seja feito um reforço sério no Ensino Básico. Claro que esta medida implicará grandes investimentos pois as escolas básicas não estão apetrechadas para leccionar TIC de modo eficaz. São muitas as salas que é necessário apetrechar. Há um outro risco que acresce nas escolas secundárias que não tenham cursos tecnológicos de informática. O esvaziamento dos quadros do grupo de informática. Faltarão os conhecimentos técnicos que vão permitindo a informatização de serviços e a manutenção das redes e salas já existentes.

Já sobre a docência bipartida na área de Projecto do 12º ano, sendo obrigatoriamente um dos docentes da área TIC, parece-me uma visão muito redutora e castradora da Área de Projecto.

A proposta apresentada para a Física e Química A e para Biologia e Geologia  poderá não ser a mais adequada. Os alunos, seja no 10º ano ou no 11º ano, têm uma carga horária muito elevada. Não sou defensor de os alunos passarem os dias dentro de salas de aula, sem tempo para consolidar conhecimentos e pesquisar. Aos argumentos apresentados pelo GAIRES eu contraponho outro: o aumento da carga horário no 11º ano e a manutenção da do 10º ano, que poderia diminuir com o desaparecimento das TIC. Os alunos passam demasiado tempo na sala de aulas. Entrar às 8h 25 min e sair às 18h 30 min, vários dias por semana, é demasiado. São sete horas e meia efectivas de aula.

Portugal precisa de um efectivo empenho no ensino das ciências. Em vez de aumentar a carga horária dos dois anos iniciais do secundário, seria preferível apostar em disciplinas anuais obrigatórias na formação específica do 12º ano, mesmo sem serem sujeitas a exame. Seria uma situação mais equilibrada em termos do horário dos alunos.

Para resolver os problemas detectados, se o ME seguir a proposta do GAIRES, espero que coloque essa hora extra em desdobramento, pois as dificuldades estão na execução das actividades laboratoriais de acordo com as indicações programáticas. Mais 90 min com os alunos todos dentro da sala, talvez sirvam para resolver mais “ umas folhas de exercícios”, mas não servem para solucionar o problema detectado na componente laboratorial.

Em relação à disciplina de Educação Física, parece-me uma boa opção a proposta feita. Embora seja essencial na formação do indivíduo, e deva ter carácter obrigatório, a verdade é que a disciplina tem especificidades e exige capacidades que não a tornam igual às restantes.

Quanto à área de Línguas e Literaturas também me parece que a recomendação é correcta.

 

publicado por Paulo às 22:05
link do post | favorito
|

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30