.links

.posts recentes

. A derrota

. Março de 2007. Lembram-se...

. O Estado a que chegámos

. O próximo passo

. Não será um caso de imped...

. O futuro está aí.

. Será que já batemos no fu...

. Uma acção de formação

. Três notas soltas

. Terminar a tarefa

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. (des)informação

. 1º ciclo

. aulas de substituição

. autarquias

. avaliação

. avaliação dos professores

. boatos

. carreira docente

. conselho das escolas

. conselho pedagógico

. dizer bem

. educação para a saúde

. educação sexual

. eduquês

. encarregado de educação

. ensino básico

. ensino secundário

. escola

. escolaridade obrigatória

. exames

. faltas dos professores

. gestão escolar

. horários

. indisciplina

. informática

. josé sócrates

. josé socrates

. manuais escolares

. ministério da educação

. ministra da educação

. política

. políticos

. professores

. programas

. prolongamento do horário

. provas de aferição

. rede escolar

. reuniões intercalares

. sindicatos

. sócrates

. tlebs

. violência nas escolas

. todas as tags

.número de visitas (desde 25/03/06)

Free Website Counter
Free Website Counter
Quarta-feira, 31 de Maio de 2006

Avaliar por "ouvir dizer" - Estatuto da carreira docente (3) -

Para os diversos intervenientes na avaliação dos docentes surgem com alguma clareza quais os parâmetros sobre os quais incidirá essa avaliação. No que concerne aos Encarregados de Educação surge uma expressão muito vaga: “Apreciação…. em relação à actividade lectiva dos docentes”.

Cabe tudo nessa definição, embora os Encarregados de Educação,  a partir do 2º ciclo, não conheçam os docentes, nunca tenham falado com eles e não tenham sequer entrado na sala de aula para poderem ver o comportamento do seu educando. Alguns falaram com o Director de Turma.

Vão fazer uma avaliação por “ouvir dizer”. Ouvem dizer que o professor fez isto e aquilo; ouvem dizer que o professor agiu de uma forma ou de outra; ouvem dizer que o professor tratou bem ou tratou mal o seu educando. Quase nunca verificam a veracidade da informação que recebem, ( em muitos casos que conheço, não admitem sequer que se possa insinuar que é falsa), mas irão utilizá-la para tomar decisões sobre terceiros.

Desde quando um testemunho por “ouvir dizer” é válido, ainda para mais tendo em conta as consequências que a sua utilização irá implicar? Não tenho qualquer formação jurídica, mas parece-me que estamos perante uma enorme aberração.

publicado por Paulo às 00:29
link do post | favorito
|

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30