.links

.posts recentes

. A derrota

. Março de 2007. Lembram-se...

. O Estado a que chegámos

. O próximo passo

. Não será um caso de imped...

. O futuro está aí.

. Será que já batemos no fu...

. Uma acção de formação

. Três notas soltas

. Terminar a tarefa

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. (des)informação

. 1º ciclo

. aulas de substituição

. autarquias

. avaliação

. avaliação dos professores

. boatos

. carreira docente

. conselho das escolas

. conselho pedagógico

. dizer bem

. educação para a saúde

. educação sexual

. eduquês

. encarregado de educação

. ensino básico

. ensino secundário

. escola

. escolaridade obrigatória

. exames

. faltas dos professores

. gestão escolar

. horários

. indisciplina

. informática

. josé sócrates

. josé socrates

. manuais escolares

. ministério da educação

. ministra da educação

. política

. políticos

. professores

. programas

. prolongamento do horário

. provas de aferição

. rede escolar

. reuniões intercalares

. sindicatos

. sócrates

. tlebs

. violência nas escolas

. todas as tags

.número de visitas (desde 25/03/06)

Free Website Counter
Free Website Counter
Quinta-feira, 18 de Maio de 2006

Provas de aferição

Será que se justifica o encerramento durante dois dias das escolas que têm 2º ciclo para realização das Provas de Aferição do  6 º ano?

A minha resposta é não!

Estas provas deveriam ser realizadas apenas depois de as aulas terminarem. São vários os motivos que me levam a pensar desta forma.

1 – Os alunos do 9º ano que irão ter exames ficaram sem dois dias de aulas. Tendo em conta a dificuldade que existe em cumprir os programas, trata-se de um aspecto relevante.

2 – Os alunos de 6º ano, e dos outros anos, também ficaram com menos dois dias de aulas, o que perante a regra quase geral, de ficar quase sempre qualquer ponto do programa por leccionar, deveria ter sido tomado em conta, não desperdiçando mais dois dias.

3 – Como ainda estamos a quase um mês do final do ano lectivo há conteúdos avaliados que ainda não foram leccionados.

a) Porque fazem parte dos assuntos a leccionar neste último mês.

b) Porque fazem parte de assuntos comuns ao 5º ano e ao 6º ano, tendo alguns professores, por falta de tempo no ano anterior, decidido abordar esse tema apenas neste ano, o que fariam no mês que falta.

4 – Os professores do 6º ano não têm mais nenhum exame para corrigir, pelo que no final do ano lectivo, estariam com muito mais disponibilidade para corrigir as provas. Não se percebe a necessidade de acumular as correcções desta prova, com a leccionação normal das aulas, e com a correcção dos testes finais das suas disciplinas.

 

As provas de aferição podem ter alguns efeitos benéficos sobre o sistema. Façam-se! Mas…. Depois das aulas terminarem e alargadas a todas as escolas.

 

publicado por Paulo às 22:10
link do post | favorito
|
2 comentários:
De Manuela dl ramos a 11 de Maio de 2007 às 16:48
Concordo em absoluto.
Aliás também acho no mínimo infeliz (pra não dizer outra coisa ) que tenham marcado os exames nacionais do 9º ano também a terça e à quinta-feira!
(Uma turma que lecciono no 5º ano, ao todo -contando com dois feriados , as provas de aferição e os exames nacionais)-ficará com menos 6 aulas. Já tive que marcar horas extras com autorização dos encarregados de educação.
De Alexandrina a 22 de Maio de 2007 às 23:15
Estou aqui para dar o meu aval ao texto anterior.
Sou prof. de Matemática (2º ciclo) com aulas à 3ª e 5ª feira e senti o mesmo problema. Também optei por solicitar autorização aos E.Ed. para leccionar mais 45 minutos, durante o 3º período.
Mas será que esta Srª Ministra merece esta dedicação? A resposta é não, mas nós pensamos sempre nos alunos, embora ela proclame que os professores faltam muito (todos?), que querem trabalhar poucas horas, etc, etc...
Estou plenamente de acordo que estas provas se realizem só no final do ano, pelas razões apontadas e ainda outras.
Este ano fiz a formação para supervisora e no final referi à formadora do GAVE , entre outras, essa opinião.



Comentar post

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30