.links

.posts recentes

. A derrota

. Março de 2007. Lembram-se...

. O Estado a que chegámos

. O próximo passo

. Não será um caso de imped...

. O futuro está aí.

. Será que já batemos no fu...

. Uma acção de formação

. Três notas soltas

. Terminar a tarefa

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. (des)informação

. 1º ciclo

. aulas de substituição

. autarquias

. avaliação

. avaliação dos professores

. boatos

. carreira docente

. conselho das escolas

. conselho pedagógico

. dizer bem

. educação para a saúde

. educação sexual

. eduquês

. encarregado de educação

. ensino básico

. ensino secundário

. escola

. escolaridade obrigatória

. exames

. faltas dos professores

. gestão escolar

. horários

. indisciplina

. informática

. josé sócrates

. josé socrates

. manuais escolares

. ministério da educação

. ministra da educação

. política

. políticos

. professores

. programas

. prolongamento do horário

. provas de aferição

. rede escolar

. reuniões intercalares

. sindicatos

. sócrates

. tlebs

. violência nas escolas

. todas as tags

.número de visitas (desde 25/03/06)

Free Website Counter
Free Website Counter
Domingo, 7 de Maio de 2006

Quem é que quer comprar mais uma guerra?

Não consigo entender o que pretende a ministra da educação com a sua forma de actuar. Com o anúncio feito a semana passada, que apenas na questão da injustificação das faltas mereceu alguma contestação sindical, lançou mais uma vez na opinião pública a ideia que os professores faltam muito e que aí está a origem de tudo o que funciona mal.

Tirando a novidade de os professores deixarem um plano de aula para o caso de pretenderem faltar, eu não vejo nenhuma novidade no que a ministra disse. Tudo já está previsto na actual legislação.

Como o conteúdo do que foi dito nada trazia de novo, o importante passou para a forma como o anunciou.

Da forma como fez a comunicação das “pretensas novidades”, apenas conseguiu aumentar junto da opinião pública o clima de hostilidade contra os professores.

Será que é para criar condições para “algo mais”?

 

publicado por Paulo às 19:53
link do post | favorito
|

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30