.links

.posts recentes

. A derrota

. Março de 2007. Lembram-se...

. O Estado a que chegámos

. O próximo passo

. Não será um caso de imped...

. O futuro está aí.

. Será que já batemos no fu...

. Uma acção de formação

. Três notas soltas

. Terminar a tarefa

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. (des)informação

. 1º ciclo

. aulas de substituição

. autarquias

. avaliação

. avaliação dos professores

. boatos

. carreira docente

. conselho das escolas

. conselho pedagógico

. dizer bem

. educação para a saúde

. educação sexual

. eduquês

. encarregado de educação

. ensino básico

. ensino secundário

. escola

. escolaridade obrigatória

. exames

. faltas dos professores

. gestão escolar

. horários

. indisciplina

. informática

. josé sócrates

. josé socrates

. manuais escolares

. ministério da educação

. ministra da educação

. política

. políticos

. professores

. programas

. prolongamento do horário

. provas de aferição

. rede escolar

. reuniões intercalares

. sindicatos

. sócrates

. tlebs

. violência nas escolas

. todas as tags

.número de visitas (desde 25/03/06)

Free Website Counter
Free Website Counter
Domingo, 11 de Novembro de 2007

Mais um ataque

No Publico on-line pode ler-se  mais uma notícia sobre a violência nas escolas. Dela saliento a seguinte opinião

«Albino Almeida, presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais (Confap), que garante que "a globalidade das famílias assume as suas responsabilidades ao nível da educação dos filhos".

 

Ao invés, o responsável da Confap aponta o dedo aos docentes, alegando que muitos se demitem de exercer a sua autoridade junto dos alunos e que agem com grande condescendência relativamente a situações de indisciplina.

 

Só isso explica, na sua opinião, que uma mesma turma possa ter um comportamento impecável com um professor e ser altamente indisciplinada com outro, o que diz acontecer com frequência»

 

O senhor Albino não sabe nada. Não conhece a realidade. Que sabe ele do que se passa dentro das salas de aula onde há problemas graves de indisciplina e violência? Nada.

Como sabe ele que alguns professores têm problemas de indisciplina e outros não têm,  na mesma turma? Está lá para ver?

Sabe apenas o que dizem os que alegam não terem problemas de indisciplina. Talvez o senhor Albino não saiba que há professores que calam as agressões (físicas, em algumas situações), sofridas dentro da sala de aula, por saberem não ter o apoio dos Conselhos Executivos, terem vergonha de serem apontados a dedo e terem medo de consequências mais graves? São esses professores que lhe dizem não ter problemas de indisciplina? O senhor Albino conhece? Eu conheço.

Há professores que não actuam disciplinarmente? Claro que há, mas são uma minoria, ao contrário do que diz o senhor Albino e ainda menos na perspectiva em que o diz.

Eu, ao contrário do senhor Albino, conheço professores que têm alguns problemas por actuarem de modo  firme e quererem impôr ao disciplina. Não é bem visto. Afasta os alunos da escola.

A culpabilização dos professores ganha adeptos, não resta dúvida, e essa atitude sabe-se bem onde começou.

 

publicado por Paulo às 22:26
link do post | favorito
|

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30