.links

.posts recentes

. A derrota

. Março de 2007. Lembram-se...

. O Estado a que chegámos

. O próximo passo

. Não será um caso de imped...

. O futuro está aí.

. Será que já batemos no fu...

. Uma acção de formação

. Três notas soltas

. Terminar a tarefa

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. (des)informação

. 1º ciclo

. aulas de substituição

. autarquias

. avaliação

. avaliação dos professores

. boatos

. carreira docente

. conselho das escolas

. conselho pedagógico

. dizer bem

. educação para a saúde

. educação sexual

. eduquês

. encarregado de educação

. ensino básico

. ensino secundário

. escola

. escolaridade obrigatória

. exames

. faltas dos professores

. gestão escolar

. horários

. indisciplina

. informática

. josé sócrates

. josé socrates

. manuais escolares

. ministério da educação

. ministra da educação

. política

. políticos

. professores

. programas

. prolongamento do horário

. provas de aferição

. rede escolar

. reuniões intercalares

. sindicatos

. sócrates

. tlebs

. violência nas escolas

. todas as tags

.número de visitas (desde 25/03/06)

Free Website Counter
Free Website Counter
Quinta-feira, 27 de Setembro de 2007

Grelhados

Já são conhecidas as grelhas propostas para a avaliação dos professores. Não fosse o aspecto trágico da situação e pensaria o leitor desatento que se tratava do argumento para uma comédia.

Não que eu esperasse algo de muito diferente tendo em conta tudo o que já estava definido no Estatuto, mas a realidade conseguiu ultrapassar as perspectivas mais animadoras.

Estamos perante uma classificação subjectiva em que a maioria dos parâmetros terá a classificação que o avaliador pretender dar, sem o mínimo de objectividade.

Vou neste post e em alguns que se seguirão analisar algumas pérolas da grelha. Irei começar pela grelha preenchida pelo Coordenador de Departamento nos 2º e 3º ciclos e no secundário.

“O docente procede à planificação do programa, das unidades didácticas e das aulas” .

Quais são os critérios para classificar entre 1 e 4? Repare-se que não se fala do conteúdo da planificação pois isso fica em outros itens, mas apenas se fez ou nãoos planos.

Quantas planificações tem que falhar para ter 3? E para ter 1 quantas fez?

 

Os itens seguintes dizem respeito ao conteúdo das planificações, sem também se perceber, ou melhor, percebendo que depende da disposição do avaliador, qual o critério para atribuir os diferentes valores.

Outra questão se levanta. Com apenas seis aulas assistidas, em todos os outros planos podem surgir uma multiplicidade de instrumentos de ensino e uma diversidade impar de estratégias, que ninguém irá lá estar para controlar a sua aplicação.

 

Mas outra questão se levanta? Aqueles parâmetros apenas podem ser avaliados na globalidade de um ano. Vai o avaliador analisar os planos de aula de todos os seus avaliandos? Quinhentos, seiscentos, setecentos, ou até mais. Alguém acredita nisso?

Em 200 aulas de um ano em que apenas 3 vão ser observadas, o importante é o que está no papel das outras 197 e não o que na realidade sucede dentro da aula.

É o predomínio da forma do plano sobre o conteúdo da aula.

 

Estamos no reino da subjectividade e do faz de conta.

publicado por Paulo às 22:30
link do post | favorito
|

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30