.links

.posts recentes

. A derrota

. Março de 2007. Lembram-se...

. O Estado a que chegámos

. O próximo passo

. Não será um caso de imped...

. O futuro está aí.

. Será que já batemos no fu...

. Uma acção de formação

. Três notas soltas

. Terminar a tarefa

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. (des)informação

. 1º ciclo

. aulas de substituição

. autarquias

. avaliação

. avaliação dos professores

. boatos

. carreira docente

. conselho das escolas

. conselho pedagógico

. dizer bem

. educação para a saúde

. educação sexual

. eduquês

. encarregado de educação

. ensino básico

. ensino secundário

. escola

. escolaridade obrigatória

. exames

. faltas dos professores

. gestão escolar

. horários

. indisciplina

. informática

. josé sócrates

. josé socrates

. manuais escolares

. ministério da educação

. ministra da educação

. política

. políticos

. professores

. programas

. prolongamento do horário

. provas de aferição

. rede escolar

. reuniões intercalares

. sindicatos

. sócrates

. tlebs

. violência nas escolas

. todas as tags

.número de visitas (desde 25/03/06)

Free Website Counter
Free Website Counter
Quarta-feira, 13 de Junho de 2007

A pior solução

Aproximam-se as reuniões de avaliação, (em algumas escolas talvez já se tenham realizado), do 10º ano de escolaridade.

Mais uma vez os alunos vão estar perante uma situação que do ponto de vista do legislador seria para facilitar a progressão, mas que na prática dificulta.

Este problema é velho, é conhecido, mas nunca ninguém tentou arranjar uma solução. Talvez por apenas ocorrer numa situação específica e não ser generalizado a todos os cursos.

Trata-se da possibilidade de os alunos transitarem reprovados a duas disciplinas.

Sei que nos cursos que lecciono, a transição destes alunos representa cinco ou seis anos no ensino secundário, pelo menos.

Os alunos que passam reprovados a Matemática e a Física e Química não conseguem, apesar de passarem para o 11º ano, terminar o ensino secundário nos  3 anos. Quase todos chegam ao décimo segundo ano, fazem todas as outras disciplinas, e no ano seguinte têm que se matricular de novo no 10º ano para fazer novo percurso até ao 12º ano. Muitos outros, após várias tentativas em exame, acabam por desistir.

Andei a vasculhar nos meus arquivos de avaliação, tentando lembrar algum aluno que tivesse passado no 10º ano com estas duas reprovações, (classificação inferior a 8 valores), tivesse terminado o secundário em 3 ou 4 anos, e não consegui encontrar nenhum.

Admito a existência de alunos que  nesta situação tenham conseguido terminar nos 3 anos, mas serão  excepção.

Mais grave ainda, é o facto de estes alunos, se pretenderem frequentar o 10º ano em vez do 11º ano, estarem impedidos de o fazer. São obrigados a ir para o 11º ano.

Provavelmente nas outras áreas, em que os alunos reprovem a duas disciplinas da formação específica, o problema não se colocará com a mesma severidade, mas para os alunos reprovados às duas disciplinas referidas a passagem é muitas vezes o caminho para o abandono ou para 5/6 anos de ensino secundário.

Não sei qual é a solução para o problema do ponto de vista legislativo, mas a experiência de vários anos diz-me que estes alunos nunca deveriam transitar para o 11º ano.

É a pior solução.  

publicado por Paulo às 16:47
link do post | favorito
|

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30