.links

.posts recentes

. A derrota

. Março de 2007. Lembram-se...

. O Estado a que chegámos

. O próximo passo

. Não será um caso de imped...

. O futuro está aí.

. Será que já batemos no fu...

. Uma acção de formação

. Três notas soltas

. Terminar a tarefa

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. (des)informação

. 1º ciclo

. aulas de substituição

. autarquias

. avaliação

. avaliação dos professores

. boatos

. carreira docente

. conselho das escolas

. conselho pedagógico

. dizer bem

. educação para a saúde

. educação sexual

. eduquês

. encarregado de educação

. ensino básico

. ensino secundário

. escola

. escolaridade obrigatória

. exames

. faltas dos professores

. gestão escolar

. horários

. indisciplina

. informática

. josé sócrates

. josé socrates

. manuais escolares

. ministério da educação

. ministra da educação

. política

. políticos

. professores

. programas

. prolongamento do horário

. provas de aferição

. rede escolar

. reuniões intercalares

. sindicatos

. sócrates

. tlebs

. violência nas escolas

. todas as tags

.número de visitas (desde 25/03/06)

Free Website Counter
Free Website Counter
Sábado, 2 de Junho de 2007

O abandono de algumas disciplinas

Encontrei um texto no site da Sociedade Portuguesa de Química, que transcrevo por não ser possível fazer uma ligação directa à página que tem a notícia.

O assunto abordado é premente e em Portugal passa-se algo de semelhante ao relatado para o Reino Unido.

 

 

Nobel da Química lança alerta contra a ruína da Ciência

 

Apesar de os cursos de Química e Física permitirem empregos com remuneração muito superior a cursos de outras áreas, o número de estudantes destas disciplinas está em declínio no Reino Unido.

Harry Kroto (Nobel da Química em 1996) publicou no jornal The Guardian um alerta contra a “ruína da ciência no Reino Unido” – mas que se aplica naturalmente a um grande número de países europeus, Portugal incluído.

O principal alerta vai para a ausência de políticas que contrariem o evidente declínio do número de estudantes de ciências nas escolas secundárias e nas universidades.

Segundo Harry Kroto, esta atitude de “laisser faire” levou a que haja actualmente mais alunos a estudar disciplinas de comunicação e média do que a estudar física. Um contra-senso “num mundo que é economicamente, socialmente e culturalmente dependente da ciência”, não só ciência eficaz mas sobretudo “ciência aplicada de forma sensata”.

Harry Kroto apresenta duas razões para que o interesse pela ciência seja estimulado nos jovens: uma razão do interesse colectivo e uma razão de interesse pessoal.

É do interesse colectivo da sociedade que além de um grande número de cientistas e engenheiros competentes, a população geral tenha boa educação científica, de forma a ser capaz de pensar racionalmente e tomar decisões informadas – e isto inclui “advogados, homens de negócios, agricultores, políticos, jornalistas e atletas”

As razões pessoais para escolher uma formação científica são avassaladoras: um estudo conjunto da Royal Society of Chemistry / Institute of Physics (2004) revelou que os detentores de um curso de Química ou Física, durante os seus 15-20 anos de maior produtividade profissional, ganham anualmente mais 22.000 Euros (15.000 libras) do que os graduados em muitas outras áreas. H. Kroto censura o Governo britânico por, em nome da liberdade de escolha, se recusar a intervir num sistema em que os jovens preferem cursos de psicologia, linguística, história, comunicação e média – condenando-os assim a carreiras de empregos mal pagos e sem perspectivas, em áreas onde a oferta excede até 10 vezes a procura.

Ainda segundo H. Kroto, a prova do falência do actual sistema está no facto de muito poucos estarem verdadeiramente conscientes da importância que a ciência e a tecnologia têm na actual sociedade, da total dependência do nosso modo de vida em relação à ciência e tecnologia, ou mesmo da contribuição humanitária da ciência para a sociedade: desde as melhorias na saúde (no séc. XVIII, metade das crianças morriam antes dos 8 anos) até as tecnologias avançadas que já se integraram na nossa vida quotidiana (como os telemóveis ou a internet).

O texto completo deste artigo pode ser encontrado em
http://education.guardian.co.uk/universitiesincrisis/story/0,,2084784,00.html

O estudo RSC/IP (2004) está disponível em
http://www.rsc.org/images/EconomicBenefitsHigherEducationQualifications_tcm18-12647.pdf
outras informações: http://education.guardian.co.uk/universitiesincrisis/story/0,,2084784,00.html

tags:
publicado por Paulo às 23:01
link do post | favorito
|

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30