.links

.posts recentes

. A derrota

. Março de 2007. Lembram-se...

. O Estado a que chegámos

. O próximo passo

. Não será um caso de imped...

. O futuro está aí.

. Será que já batemos no fu...

. Uma acção de formação

. Três notas soltas

. Terminar a tarefa

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. (des)informação

. 1º ciclo

. aulas de substituição

. autarquias

. avaliação

. avaliação dos professores

. boatos

. carreira docente

. conselho das escolas

. conselho pedagógico

. dizer bem

. educação para a saúde

. educação sexual

. eduquês

. encarregado de educação

. ensino básico

. ensino secundário

. escola

. escolaridade obrigatória

. exames

. faltas dos professores

. gestão escolar

. horários

. indisciplina

. informática

. josé sócrates

. josé socrates

. manuais escolares

. ministério da educação

. ministra da educação

. política

. políticos

. professores

. programas

. prolongamento do horário

. provas de aferição

. rede escolar

. reuniões intercalares

. sindicatos

. sócrates

. tlebs

. violência nas escolas

. todas as tags

.número de visitas (desde 25/03/06)

Free Website Counter
Free Website Counter
Quarta-feira, 21 de Março de 2007

Acesso a professor titular

Terminou a negociação para a regulamentação do primeiro concurso para professor titular. Uma das críticas mais justas feitas a este estatuto, referia que a avaliação dos professores e as formas de progressão que nele estão inscritas, não valorizam nem avaliam a qualidade da prática docente, nem as actividades directas dos professores com os alunos. Ficou agora demonstrado que os críticos tinham razão. 

Das negociações surge para mim incompreensível a diferença existente entre a grelha inicial e a final em dois aspectos.

O número de parâmetros classificativos aumentou tanto que parece que os autores da grelha inicial não tinham a mínima ideia daquilo que faz um professor.

Não entendo também a mudança de 180 graus na atribuição de pontos em termos do número de faltas. Para quem considerava ser este um dos pontos fundamentais a mudança é muito grande. Ou não era importante e já havia intenção de o modificar, ou então quando surgiu a primeira versão não faziam a mínima ideia do que queriam.

Uma das alterações permitidas, ainda nas faltas, foi um presente envenenado para os sindicatos: a não contabilização das faltas de greve e de reuniões sindicais, continuando a contar as faltas por falecimento de familiar. Já se ouvem comentários do tipo: “ os dos sindicatos defendem é o interesse deles e dos deles”, “ naquilo que lhes tocava mais , houve mudança”.

Aguardo com alguma curiosidade a quantificação das vagas. Já não deve faltar muito, pois existe o objectivo de ter professores titulares no início do próximo ano lectivo.

publicado por Paulo às 12:01
link do post | favorito
|

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30