.links

.posts recentes

. A derrota

. Março de 2007. Lembram-se...

. O Estado a que chegámos

. O próximo passo

. Não será um caso de imped...

. O futuro está aí.

. Será que já batemos no fu...

. Uma acção de formação

. Três notas soltas

. Terminar a tarefa

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. (des)informação

. 1º ciclo

. aulas de substituição

. autarquias

. avaliação

. avaliação dos professores

. boatos

. carreira docente

. conselho das escolas

. conselho pedagógico

. dizer bem

. educação para a saúde

. educação sexual

. eduquês

. encarregado de educação

. ensino básico

. ensino secundário

. escola

. escolaridade obrigatória

. exames

. faltas dos professores

. gestão escolar

. horários

. indisciplina

. informática

. josé sócrates

. josé socrates

. manuais escolares

. ministério da educação

. ministra da educação

. política

. políticos

. professores

. programas

. prolongamento do horário

. provas de aferição

. rede escolar

. reuniões intercalares

. sindicatos

. sócrates

. tlebs

. violência nas escolas

. todas as tags

.número de visitas (desde 25/03/06)

Free Website Counter
Free Website Counter
Terça-feira, 20 de Março de 2007

Venham as obras!

Foi ontem anunciado o Programa de Modernização das Escolas Secundárias.

Descontando o habitual espectáculo com que o governo costuma anunciar as suas medidas, algumas delas a caírem depois no vazio, é de realçar como positivo aquilo que aparentemente parece ser um aumento de investimento no parque escolar.  Coloco o aparentemente, porque não se pode esquecer que neste momento há cerca de 2000 mil escolas a menos do que há dois anos atrás e não é necessário construir equipamentos novos ao mesmo ritmo dos derradeiros anos. Podem então as verbas ser distribuídas de outro modo. Só comparando os valores gastos em conservação e construção nos últimos anos, com o previsto para os mesmos efeitos nos próximos, se pode saber se estamos perante um verdadeiro aumento do investimento neste campo.

Muitas escolas estão degradadas e o seu restauro é essencial, no entanto nove anos é muito tempo, não sendo também fácil perceber a necessidade de constituição de uma empresa que efectue a gestão destas obras. Com um parque escolar que abrange todo o país, veremos dentro de 2 ou 3 anos esta empresa criar sucursais para as diferentes regiões do país. Mais “jobs” para os do costume. Entretanto o que fazer com os serviços que actualmente gerem este sector? Vão ser integrados na nova empresa?

Uma outra ideia que me deixa algo intrigado é a intenção de entregar a exploração de reprografia, bar e papelaria à exploração privada. Ou os preços sobem muito, ou nenhuma empresa conseguirá lucros que lhe permitam sobreviver numa escola secundária de tamanho médio, tendo os serviços abertos no horário normal de funcionamento e pagando a funcionários que permitam manter qualidade e rapidez de serviço.

Venham as obras!

tags:
publicado por Paulo às 22:24
link do post | favorito
|

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30