.links

.posts recentes

. A derrota

. Março de 2007. Lembram-se...

. O Estado a que chegámos

. O próximo passo

. Não será um caso de imped...

. O futuro está aí.

. Será que já batemos no fu...

. Uma acção de formação

. Três notas soltas

. Terminar a tarefa

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. (des)informação

. 1º ciclo

. aulas de substituição

. autarquias

. avaliação

. avaliação dos professores

. boatos

. carreira docente

. conselho das escolas

. conselho pedagógico

. dizer bem

. educação para a saúde

. educação sexual

. eduquês

. encarregado de educação

. ensino básico

. ensino secundário

. escola

. escolaridade obrigatória

. exames

. faltas dos professores

. gestão escolar

. horários

. indisciplina

. informática

. josé sócrates

. josé socrates

. manuais escolares

. ministério da educação

. ministra da educação

. política

. políticos

. professores

. programas

. prolongamento do horário

. provas de aferição

. rede escolar

. reuniões intercalares

. sindicatos

. sócrates

. tlebs

. violência nas escolas

. todas as tags

.número de visitas (desde 25/03/06)

Free Website Counter
Free Website Counter
Segunda-feira, 5 de Fevereiro de 2007

No reino do "vale tudo"

Já referi neste blog o caos em que está transformado o 3º ciclo do ensino básico, conduzido por umas vagas Competências Essenciais nas diferentes disciplinas, que deixam nas mãos das editoras a construção de um programa efectivo. Cada uma faz o que quer e lhe apetece.

Quando começamos a viver esta situação do outro lado, não o do profissional da educação, mas o de encarregado de educação que tenta acompanhar os filhos, ainda mais se nota o absurdo e o caricato das situações. 

Para ajudar ao estudo, comprei alguns livros de exercícios de outros manuais que não os adoptados na escola da minha filha.

Muitas vezes parece que os manuais não são do mesmo país. Há assuntos que são abordados no manual B que não são abordados no A que aborda outros que não o são no B.  E não me refiro à contextualização   dos temas, (a nova moda pedagógica), mas sim aos conteúdos referentes a cada disciplina.

A sequência dos temas é a mais diversa possível, não facilitando o estudo dos alunos e podendo destruir o percurso escolar de quem tenha que ser transferido de escola.

Na disciplina de Ciências Naturais alguns manuais fazem um estudo exaustivo da célula, indicando a forma como é constituída e a função de cada um dos seus componentes, outros manuais limitam-se a dizer que os seres vivos são constituídos por células. È para isto que servem as Competências Essenciais.

Outra questão é a total descoordenação entre as várias disciplinas. Não se entende como é que os “especialistas” culpados pela existência deste monstro não se apercebem das disformidades criadas.

Ao nível do sétimo ano colocam-se os alunos a resolver equações, na disciplina de Ciências Físico-Químicas, em que é necessário determinar uma incógnita colocada no denominador ou no numerador duma fracção, quando na disciplina de matemática essa matéria ainda não está em linha de vista.

Claro que não sabendo resolver a equação os alunos seguem outro caminho: decoram três fórmulas perfeitamente equivalentes.

De acordo com as informações que o Ministério da Educação vai deixando sair para o exterior, sabe-se que estão a ser pensadas mudanças, pelo menos para as disciplinas de matemática e de português. Não chega! Vai ser preciso mudar muito mais, começando por definir aquilo que os alunos devem saber.

publicado por Paulo às 14:36
link do post | favorito
|
3 comentários:
De Júlia a 5 de Fevereiro de 2007 às 17:40
Não é grande novidade a conclusão a que chega sobre o estado dos programas curriculares. São defeitos muito antigos que ninguém conseguiu emendar, ou melhor, só tem vindo a piorar.
Em tempos escrevi algumas coisas sobre a Geografia e os principais problemas eram:
- Descoordenação com outras disciplinas com as quais tinha alguma afinidade;
- Falta de articulação dos conteúdos dentro da própria disciplina (uma autora chamou-lhes programas semelhantes a gavetas que se abrem e fecham, mas sem comunicação entre elas);
- Inadequação de alguns assuntos, atendendo à idade dos alunos (no ensino básico).
No entanto, sei que esses programas foram feitos por professores da disciplina e, que eu saiba, não eram especialista em Ciências da Educação, logo, não podem ser acusados de promover o "eduquês".
Pude ainda verificar que alguns dos manuais dos programas revistos para a Geografia, foram feitos com copiando e colando os anteriores. Embora os conteúdos tenham mudado, fizeram um passe de mágica e, sem mais trabalho, continuaram a receber os seus sagrados direitos de autor.
Tenho visitado o seu blogue e, embora discorde de algumas das suas opiniões, acho importante o que escreve.
Os meus cumprimentos.
De Júlia Costa a 5 de Fevereiro de 2007 às 17:49
Por um erro qualquer que não entendo, o anterior comentário está identificado como tendo sido feito por Festas do Povo. Espero que agora esteja bem.
De Anónimo a 8 de Fevereiro de 2007 às 19:58
Caro Paulo.
Só neste país com uma classe política completamente irresponsável e sem escrúpulos, isto é possível. Alunos?...Que é isso? Só contam para efeitos estatísticos. Os Encarregados de Educação são uns pobres diabos...os professores os maus da fita.
A D. Milu , a jóia da coroa!
abraço.

Comentar post

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30