.links

.posts recentes

. A derrota

. Março de 2007. Lembram-se...

. O Estado a que chegámos

. O próximo passo

. Não será um caso de imped...

. O futuro está aí.

. Será que já batemos no fu...

. Uma acção de formação

. Três notas soltas

. Terminar a tarefa

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. (des)informação

. 1º ciclo

. aulas de substituição

. autarquias

. avaliação

. avaliação dos professores

. boatos

. carreira docente

. conselho das escolas

. conselho pedagógico

. dizer bem

. educação para a saúde

. educação sexual

. eduquês

. encarregado de educação

. ensino básico

. ensino secundário

. escola

. escolaridade obrigatória

. exames

. faltas dos professores

. gestão escolar

. horários

. indisciplina

. informática

. josé sócrates

. josé socrates

. manuais escolares

. ministério da educação

. ministra da educação

. política

. políticos

. professores

. programas

. prolongamento do horário

. provas de aferição

. rede escolar

. reuniões intercalares

. sindicatos

. sócrates

. tlebs

. violência nas escolas

. todas as tags

.número de visitas (desde 25/03/06)

Free Website Counter
Free Website Counter
Terça-feira, 16 de Janeiro de 2007

As notícias que nos querem dar

Gostaria de saber como funcionam os mecanismos para colocar notícias na comunicação social. É óbvio que alguém decidiu que a notícia de hoje seria sobre as habilitações para a docência no 2º ciclo.

Quem seria? Com que objectivo surgiu hoje a notícia?

O assunto é velho e já foi aqui abordado há quinze dias.

Mesmo antes de ser aprovado era pública a proposta legislativa que estava em discussão e podia ser consultada por quem estivesse interessado. Durante esse período de discussão recordo uma notícia saída no Público no dia 27 de Outubro, que resumia o essencial da proposta. Não houve mais referências.

Para quem já está habituado aos modelos de decisão deste governo não seriam de esperar grandes mudanças entre a proposta inicial e o documento aprovado, e foi isso que sucedeu.

O Conselho de Ministros aprovou o diploma há 19 dias. Ninguém ligou. Hoje, todas as televisões, rádios  e vários jornais falaram do tema.

Os assuntos são abordados quando interessa.

Ficam três  perguntas que servem para muitas outras situações de clara manipulação da agenda noticiosa, que é bem evidente nesta notícia.  

Quem? Como? Porquê?

 

tags:
publicado por Paulo às 21:38
link do post | favorito
|

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30