.links

.posts recentes

. A derrota

. Março de 2007. Lembram-se...

. O Estado a que chegámos

. O próximo passo

. Não será um caso de imped...

. O futuro está aí.

. Será que já batemos no fu...

. Uma acção de formação

. Três notas soltas

. Terminar a tarefa

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. (des)informação

. 1º ciclo

. aulas de substituição

. autarquias

. avaliação

. avaliação dos professores

. boatos

. carreira docente

. conselho das escolas

. conselho pedagógico

. dizer bem

. educação para a saúde

. educação sexual

. eduquês

. encarregado de educação

. ensino básico

. ensino secundário

. escola

. escolaridade obrigatória

. exames

. faltas dos professores

. gestão escolar

. horários

. indisciplina

. informática

. josé sócrates

. josé socrates

. manuais escolares

. ministério da educação

. ministra da educação

. política

. políticos

. professores

. programas

. prolongamento do horário

. provas de aferição

. rede escolar

. reuniões intercalares

. sindicatos

. sócrates

. tlebs

. violência nas escolas

. todas as tags

.número de visitas (desde 25/03/06)

Free Website Counter
Free Website Counter
Segunda-feira, 27 de Novembro de 2006

Para sempre

Nestes dias em que não possuo palavras que consigam descrever os meus sentimentos, uso as palavras dos outros.

Do poeta Ruy Cinatti , um poema que fala de despedida, para o Rafael e para a Filipa. 

“ Quando eu partir…”

 

Quando eu partir, quando eu partir de novo,

A alma e o corpo unidos,

Num último e derradeiro esforço de criação;

Quando eu partir…

Como se um outro ser nascesse

De uma crisálida prestes a morrer sobre um muro estéril,

E sem que o milagre lhe abrisse

As janelas da vida… –

Então pertencer-me-ei.

Na minha solidão, as minhas lágrimas

Hão-de ter o gosto dos horizontes sonhados na adolescência,

E eu serei o senhor da minha própria liberdade.

Nada ficará no lugar que ocupei.

O último adeus virá daquelas mãos abertas

Que hão-de abençoar um mundo renegado

No silêncio da noite em que um navio

Me levar para sempre.

Mas ali

Hei-de habitar no coração de certos que me amaram;

Ali hei-de ser eu como eles próprios me sonharam;

Irremediavelmente….

Para sempre.

 

publicado por Paulo às 21:47
link do post | favorito
|

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30