.links

.posts recentes

. A derrota

. Março de 2007. Lembram-se...

. O Estado a que chegámos

. O próximo passo

. Não será um caso de imped...

. O futuro está aí.

. Será que já batemos no fu...

. Uma acção de formação

. Três notas soltas

. Terminar a tarefa

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. (des)informação

. 1º ciclo

. aulas de substituição

. autarquias

. avaliação

. avaliação dos professores

. boatos

. carreira docente

. conselho das escolas

. conselho pedagógico

. dizer bem

. educação para a saúde

. educação sexual

. eduquês

. encarregado de educação

. ensino básico

. ensino secundário

. escola

. escolaridade obrigatória

. exames

. faltas dos professores

. gestão escolar

. horários

. indisciplina

. informática

. josé sócrates

. josé socrates

. manuais escolares

. ministério da educação

. ministra da educação

. política

. políticos

. professores

. programas

. prolongamento do horário

. provas de aferição

. rede escolar

. reuniões intercalares

. sindicatos

. sócrates

. tlebs

. violência nas escolas

. todas as tags

.número de visitas (desde 25/03/06)

Free Website Counter
Free Website Counter
Sábado, 4 de Novembro de 2006

Iliteracia científica, desleixo ou ignorância?

Não é sobre o conteúdo desta notícia que eu vou escrever, mas sim sob a forma como ela está escrita. Nos jornais, seja em versão digital ou  em versãoescrita, deixou de se escrever com expoentes e índices.

Os jornais e a comunicação social em geral, neste caso o Público, mas o mal é geral, alargando-se às legendas televisivas, sempre prontos a lançar as farpas em relação à qualidade do ensino, não olham para dentro para mostrarem os maus exemplos que dão: erros ortográficos, sintácticos e científicos. É a estes últimos que eu me vou referir.

CO2 , N2O e CH4 não existem. CO2, N2O e CH4 existem. Se um aluno me escrever as fórmulas na forma usada pelo jornal atribuo-lhe 0 (zero).

Numa sociedade em que o que dá na televisão e o que se lê no jornal é sempre tomado por verdade por grande parte da população, teremos brevemente os protestos dos alunos, ( e não só), a dizerem: está bem porque eu li no Público.

Não é só nas fórmulas químicas que isto se passa. Já ninguém escreve nos jornais m2, (metro quadrado), mas sim m2.

Seria importante um pouco mais de cuidado e literacia científica nos órgãos de comunicação social.

Se eu escrevesse

"Ceria impurtante um pouqo mais de cuidadu e literassia ciemtífica nus órgaos de cumunicassão sucial ."

seria apodado de, no mínimo, ignorante, apesar de qualquer português perceber o que eu quis dizer.

O que os jornalistas escrevem está ao mesmo nível, com a diferença de, por vezes, ser ilegível.

Serão eles, no mnímo, ignorantes?

publicado por Paulo às 14:48
link do post | favorito
|

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30