.links

.posts recentes

. A derrota

. Março de 2007. Lembram-se...

. O Estado a que chegámos

. O próximo passo

. Não será um caso de imped...

. O futuro está aí.

. Será que já batemos no fu...

. Uma acção de formação

. Três notas soltas

. Terminar a tarefa

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. (des)informação

. 1º ciclo

. aulas de substituição

. autarquias

. avaliação

. avaliação dos professores

. boatos

. carreira docente

. conselho das escolas

. conselho pedagógico

. dizer bem

. educação para a saúde

. educação sexual

. eduquês

. encarregado de educação

. ensino básico

. ensino secundário

. escola

. escolaridade obrigatória

. exames

. faltas dos professores

. gestão escolar

. horários

. indisciplina

. informática

. josé sócrates

. josé socrates

. manuais escolares

. ministério da educação

. ministra da educação

. política

. políticos

. professores

. programas

. prolongamento do horário

. provas de aferição

. rede escolar

. reuniões intercalares

. sindicatos

. sócrates

. tlebs

. violência nas escolas

. todas as tags

.número de visitas (desde 25/03/06)

Free Website Counter
Free Website Counter
Sexta-feira, 29 de Fevereiro de 2008

O futuro está aí.

enquanto eles, do alto inacessível das suas alturas,

foram caindo,

caindo,

caindo,

caindo,

caindo sempre,

e sempre,

ininterruptamente, na razão directa dos quadrados dos tempos.”

 

Extracto de

Poema para Galileu, de António Gedeão

 

Começa a haver quem já esteja a mostrar aquilo que pensa que deve ser uma escola.

O diploma  da avaliação docente, além de apresentar alguns parâmetros que não são aplicáveis a todos os professores; outros que têm uma aplicação favorecedora de determinadas situações particulares, criando injustiça na sua aplicação;  e ter parâmetros que não são quantificáveis, ficando a classificação dependente da análise individual do avaliador, das suas opiniões, gostos, amores e ódios pessoais, vemos, agora, como mostra  um descritor proposto na escola Correia de Mateus, serve para intimidar e calar as vozes dissonantes.

«Verbaliza a sua insatisfação/satisfação face a mudanças ocorridas no Sistema Educativo/na Escola através de críticas destrutivas potenciadoras de instabilidade no seio dos seus pares».

Este é o descritor que segundo ouvi, nas palavras da ministra da educação quando comentava o caso, terá sido reprovada no Conselho Pedagógico.

Mais do que a gravidade do caso, entristece-me que haja uma pessoa, (ou mais, se a grelha tiver sido um trabalho de equipa), a pensar desta forma e a querer dirigir uma escola nestes termos.

Desta vez foi reprovado, mas quando, com o novo modelo de gestão, a maioria dos elementos do Conselho Pedagógico for nomeada directamente pelo Director, um parâmetro com este teor passará sem dificuldade.

Restará sempre o apelo aos tribunais, devido à sua provável inconstitucionalidade ou ilegalidade. Mas enquanto tal não acontecer as vozes serão amordaçadas, silenciadas e atemorizadas.

Este é um exemplo claro da Escola que poderá estar a chegar. A mesma Escola onde se deverão ensinar a cidadania e os valores da liberdade.

Claro que o contra-exemplo pode ser uma boa metodologia.

Quando se sabem notícias destas, apetece-me sempre ouvir esta música.

publicado por Paulo às 15:41
link do post | favorito
|
Domingo, 24 de Fevereiro de 2008

Será que já batemos no fundo?

Ontem, sábado, no Porto, convocados por SMS, algumas centenas de professores juntaram-se para protestar  contra a política de educação do governo.

Considerou a polícia que se estava perante uma manifestação não autorizada e alguns agentes compareceram no local.

Segundo relataram as televisões, nada de anormal aconteceu até os jornalistas começarem a recolher depoimentos. Nesse momento, e com a reunião já desmobilizada, a polícia resolveu identificar as pessoas que prestaram declarações.

A justificação apresentada pelas autoridades deverá ficar para a história da democracia. O comissário afirmou  que tendo que identificar alguém, optava pelas pessoas que tinham prestado declarações à comunicação social.

O vídeo da notícia também pode ser visto aqui.

A mensagem é do tipo : “protestem, mas …baixinho, sem câmaras nem microfones”.

Lembrei-me de um excerto de um filme  sobre o 25 de Abril, ( penso que produzido pela SIC em 2004), em que Salgueiro Maia diz, no discurso de mobilização aos soldados que na parada iriam partir para Lisboa, que “há o estado comunista, o estado socialista, o estado fascista e o estado a que nós chegámos”.

( Se o texto não for este, será outro muito semelhante, pois faço a citação de memória).

Este é realmente o estado a que nós chegámos.

Será que já batemos no fundo?

publicado por Paulo às 11:44
link do post | favorito
|
Domingo, 17 de Fevereiro de 2008

Uma acção de formação

A reunião que o secretário-geral do PS realizou no sábado com “professores socialistas”, teve, lendo os relatos que surgem hoje na imprensa, a função de doutrinar os comissários políticos.

Do que se sabe da reunião, fica a ideia que houve preocupação com as eleições do próximo ano e não com a qualidade das reformas a serem feitas. O secretário-geral do PS foi apresentar argumentos, não foi pedir sugestões de melhoramento da lei.

Repetindo uma frase que ouvi: " foram a uma acção de formação".

Na avaliação já se verificou que não há intenção de alterar o que de injusto tem a sua aplicação. Talvez quando dentro de 2 ou 3 anos começarem a manifestar-se alguns dos aspectos perversos da actual regulamentação, um outro qualquer ministro tenha que fazer as alterações. Entretanto, algumas situações agravar-se-ão e injustiças serão cometidas.

No que diz respeito ao diploma da gestão, acredito que ainda haja algumas mudanças ligeiras em relação ao projecto apresentado, depois da reunião que irá ocorrer entre a equipa ministerial e o Conselho das Escolas, que parece ser, neste momento, o único interlocutor que o Ministério da Educação escuta
publicado por Paulo às 21:36
link do post | favorito
|
Quarta-feira, 13 de Fevereiro de 2008

Três notas soltas

Nota 1

Contava-me uma colega, que corrigiu um teste de um aluno que respondeu a todas as questões, não ultrapassando no entanto os 3 valores na escala de  0 a 20.

Também a mim já me sucederam situações semelhantes. O aluno responde errado e muitas vezes a resposta nem sequer é adequada às questões, aparentando no entanto, nas várias páginas que escreve, uma enorme convicção no vazio das suas respostas.

 

Nota 2

Hoje à tarde vi o debate na Assembleia da República. Assisti às respostas dadas pelo primeiro-ministro às questões colocadas sobre a avaliação dos professores.

 

Nota 3

O cérebro humano é uma máquina misteriosa. Faz relações incompreensíveis.

publicado por Paulo às 20:59
link do post | favorito
|
Sábado, 9 de Fevereiro de 2008

Terminar a tarefa

Quando foi feita a substituição do ministro da saúde e da ministra da cultura, ouvi um colega comentar que a ministra da educação não tinha sido substituída porque ainda não estava “todo o serviço feito”.

Lendo título do jornal Público de hoje, “Municípios podem vir a tutelar professores”, dá para perceber o que falta fazer.

música: ministra da educação, escola
publicado por Paulo às 12:08
link do post | favorito
|

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30