.links

.posts recentes

. A derrota

. Março de 2007. Lembram-se...

. O Estado a que chegámos

. O próximo passo

. Não será um caso de imped...

. O futuro está aí.

. Será que já batemos no fu...

. Uma acção de formação

. Três notas soltas

. Terminar a tarefa

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. (des)informação

. 1º ciclo

. aulas de substituição

. autarquias

. avaliação

. avaliação dos professores

. boatos

. carreira docente

. conselho das escolas

. conselho pedagógico

. dizer bem

. educação para a saúde

. educação sexual

. eduquês

. encarregado de educação

. ensino básico

. ensino secundário

. escola

. escolaridade obrigatória

. exames

. faltas dos professores

. gestão escolar

. horários

. indisciplina

. informática

. josé sócrates

. josé socrates

. manuais escolares

. ministério da educação

. ministra da educação

. política

. políticos

. professores

. programas

. prolongamento do horário

. provas de aferição

. rede escolar

. reuniões intercalares

. sindicatos

. sócrates

. tlebs

. violência nas escolas

. todas as tags

.número de visitas (desde 25/03/06)

Free Website Counter
Free Website Counter
Domingo, 28 de Outubro de 2007

A mensagem e o mensageiro

O Conselho das Escola fez sair o seu primeiro comunicado, ou o primeiro que eu tive conhecimento. Dentro das expectativas, temos um texto totalmente em concordância com a opinião oficial do Ministério da Educação.

Muita gente estará a aplaudir, mas eu não, apesar de ser contra a publicação dos rankings.

O Ministério fornece a lista de todas as classificações com a indicação da escola.

Para que serve esta lista?

Apenas vejo uma utilidade. A elaboração os rankings que os órgãos de comunicação social fazem. Podem fazer mais alguma análise com a listagem que lhes é fornecida? Não!

Se a mercadoria só serve para isto, por que vem o fornecedor queixar-se da utilização que é feita do produto que ele fornece?

Se além das escolas fosse fornecido o nome dos examinandos, não faltaria quem fizesse um estudo a comparar as notas dos alunos de apelido Silva com os de apelido Sousa, ou qual o primeiro nome com média mais alta. Se lá colocassem a data de nascimento, teríamos os astrólogos a demonstrar a influência do signo de nascimento nas classificações.

Chega de hipocrisia! Os rankings existem por que o Ministério da Educação fornece a informação que apenas pode servir para que eles sejam elaborados.

O Conselho das Escolas, em vez de tentar atacar o mensageiro, deveria preocupar-se com o autor da mensagem.

publicado por Paulo às 09:11
link do post | favorito
|
Domingo, 21 de Outubro de 2007

Na hora errada

Abriu a época das reuniões intercalares. Ao fim do dia, um grupo de pessoas cansadas, senta-se à volta de um conjunto de mesas agrupadas no centro de uma sala de aulas. Nestas reuniões, além dos professores da turma, também está presente um representante dos encarregados de educação e o delegado de turma.

Soube que na semana passada, numa turma do 3º ciclo, o delegado de turma não foi, argumentando que a reunião era muito tarde e estava na hora dos  “Morangos com açúcar”.

Sem me querer debruçar sobre a segunda parte da justificação, condizente com situações já ocorridas na Assembleia da República, por via de “futebóis” e também de telenovelas, para quem se lembra de “O Astro”, não posso deixar de concordar com a primeira. Às sete e meia da noite são horas de estar a jantar e não de iniciar qualquer reunião de conselho de turma.

publicado por Paulo às 21:58
link do post | favorito
|
Sábado, 20 de Outubro de 2007

Lamento e revolta

Leio que a DREC dispensou da actividade lectiva uma professora do 1º ciclo de uma escola do concelho de Ovar a quem foram diagnosticados 3 cancros, um dos quais na língua, que lhe dificulta o acto de falar.

Leio ainda que a Caixa Geral de Aposentações recusou a aposentação a esta professora.

Tudo isto é lamentável e revoltante.

Foi necessário o “clamor público”, ao qual se associaram os encarregados de educação, para a DREC tomar esta decisão.

Não tinham já conhecimento da situação na Direcção Regional? Ou um grupo de “burocratas zelosos” vedou os caminhos da informação até à DREC, sendo necessário “ furar o bloqueio” lendo os jornais e vendo televisão?

Para que alguém veja os seus direitos reconhecidos tem que vir para a rua gritar?

 

Outro aspecto relaciona-se com a  decisão da junta médica.

Será que algum dos elementos da junta médica se considerava capaz de, na situação da professora, estar cinco horas podia, cinco dias por semana, a falar perante um grupo de mais de 20 crianças? Algum dos elementos da junta médica seria capaz de o fazer?

Há ainda a posição do Estado.

Como pode um Estado que dá reformas milionárias a indivíduos saudáveis que trabalharam meia dúzia de anos a gerir empresas públicas, que dá reformas a políticos com uma dúzia de anos de serviço, reformas essas atribuídas a pessoas saudáveis e com uma esperança de vida longa, negar a aposentação a quem trabalhou e descontou para a segurança social 30 anos, e por vezes mais, e a quem infelizmente, a doença não perspectiva uma esperança de vida muito longa?

Como pode o Estado negar a dignidade a estas pessoas?

Estarão os decisores políticos à espera que um professor morra numa sala de aula, à frente os seus alunos, para que a situação seja alterada?

Será preciso chegar a esse extremo?

 

publicado por Paulo às 10:26
link do post | favorito
|
Quarta-feira, 17 de Outubro de 2007

"Mais papista que o papa"

A Educação Moral e Religiosa é uma disciplina opcional. Frequenta quem quiser, e quem não quiser não tem esse tempo lectivo, o que, perante a carga horária do 3º ciclo do Ensino Básico, quase se poderia afirmar ser uma “bênção”.

Para evitar que os alunos que não optam por essa disciplina tenham furos, deve a escola organizar os horários de forma que essa disciplina fique sempre em tempo lectivo terminal.

A escola pode ainda organizar actividades extra-curriculares ou de enriquecimento curricular para oferecer aos alunos que as queiram frequentar de forma facultativa. Como é óbvio, e de acordo com a legislação em vigor, a disciplina de Educação Moral e Religiosa não pode ser substituída por qualquer actividade que os alunos sejam obrigados a frequentar. Os encarregados de educação  podem optar por deixar os seus educandos terem uma carga lectiva menor.

Não é admissível que uma escola pretenda que os encarregados de educação assinem um pedido de autorização para os seus educandos não frequentarem as actividades facultativas de substituição de Educação Moral e Religiosa.

É aquilo que se costuma designar por “ser mais papista que o papa”, e neste caso no contexto adequado.  

publicado por Paulo às 22:31
link do post | favorito
|
Sexta-feira, 5 de Outubro de 2007

O discurso do Presidente da República

O Presidente da Republica levou a Educação para o seu discurso do dia 5 de Outubro. Não faltam loas às palavras que proferiu. Todos gostaram: governo, oposição e sindicatos. Isto faz-me pensar que ou o discurso é irrelevante, pelo que todos podem gostar e estar de acordo, ou alguém não percebeu.

Convém também não esquecer que o actual Presidente da República foi o primeiro-ministro do maior falhanço da educação pós 25 de Abril. Refiro-me à reforma promovida por Roberto Carneiro. Onde estava o então primeiro-ministro Cavaco Silva?

Muita gente, onde eu me incluo, ainda não sabe se o conteúdo da reforma era mau e por isso falhou, ou se o primeiro-ministro não apoiou o financiamento necessário para que ela pudesse ser feita.

Fica a dúvida para a História.

Ouvi as declarações do primeiro-ministro José Sócrates proclamando a distinção entre professores e sindicatos, na perspectiva de que os professores apoiariam o governo e a sua política de educação e os sindicatos não.

Eu sei que não é assim, mas o primeiro-ministro sabe que os factos conhecidos pela população em geral parecem apontar nesse sentido.

Se as palavras do primeiro-ministro já não me surpreendem, espanta-me que passadas várias horas ainda não exista uma palavra dos sindicalistas do partido socialista.

A frase do primeiro-ministro clarifica a importância que ele dá aos sindicatos e o respeito que tem pelos professores.

tags:
publicado por Paulo às 22:59
link do post | favorito
|

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30