.links

.posts recentes

. A derrota

. Março de 2007. Lembram-se...

. O Estado a que chegámos

. O próximo passo

. Não será um caso de imped...

. O futuro está aí.

. Será que já batemos no fu...

. Uma acção de formação

. Três notas soltas

. Terminar a tarefa

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. (des)informação

. 1º ciclo

. aulas de substituição

. autarquias

. avaliação

. avaliação dos professores

. boatos

. carreira docente

. conselho das escolas

. conselho pedagógico

. dizer bem

. educação para a saúde

. educação sexual

. eduquês

. encarregado de educação

. ensino básico

. ensino secundário

. escola

. escolaridade obrigatória

. exames

. faltas dos professores

. gestão escolar

. horários

. indisciplina

. informática

. josé sócrates

. josé socrates

. manuais escolares

. ministério da educação

. ministra da educação

. política

. políticos

. professores

. programas

. prolongamento do horário

. provas de aferição

. rede escolar

. reuniões intercalares

. sindicatos

. sócrates

. tlebs

. violência nas escolas

. todas as tags

.número de visitas (desde 25/03/06)

Free Website Counter
Free Website Counter
Sexta-feira, 30 de Junho de 2006

O ensino de Inglês no 1º ciclo.

Segundo se lê na imprensa de hoje o ensino de inglês irá ser obrigatório, no próximo ano lectivo, para os 3º e 4º anos.

Esta medida, que poderia ser uma mais valia para o nosso sistema educativo, surge envolta em três aspectos negativos.

1º Transforma-se em curricular uma actividade que funciona como extracurricular, alargando o horário obrigatório deste ciclo de ensino. Agora é o inglês, qualquer dia será a música, depois a informática e mais o que calhar. O professor “oficial” servirá, num futuro próximo, para ensinar as crianças a ler, escrever e fazer contas.

2º Consagra oficialmente a privatização do ensino oficial. Esta disciplina funcionará fora do controlo oficial, quer nos contratos dos professores, quer nos efeitos das aprendizagens dos alunos.

3º Por muito que a senhora Ministra da Educação e os seus secretários afirmem o contrário, estas actividades, pelos exemplos que se conhecem deste ano lectivo, em muitas escolas não funcionam, funcionam mal, ou sem qualquer controlo de qualidade. Claro que há situações de bom funcionamento, mas não são todas.

publicado por Paulo às 11:39
link do post | favorito
|

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30