.links

.posts recentes

. A derrota

. Março de 2007. Lembram-se...

. O Estado a que chegámos

. O próximo passo

. Não será um caso de imped...

. O futuro está aí.

. Será que já batemos no fu...

. Uma acção de formação

. Três notas soltas

. Terminar a tarefa

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. (des)informação

. 1º ciclo

. aulas de substituição

. autarquias

. avaliação

. avaliação dos professores

. boatos

. carreira docente

. conselho das escolas

. conselho pedagógico

. dizer bem

. educação para a saúde

. educação sexual

. eduquês

. encarregado de educação

. ensino básico

. ensino secundário

. escola

. escolaridade obrigatória

. exames

. faltas dos professores

. gestão escolar

. horários

. indisciplina

. informática

. josé sócrates

. josé socrates

. manuais escolares

. ministério da educação

. ministra da educação

. política

. políticos

. professores

. programas

. prolongamento do horário

. provas de aferição

. rede escolar

. reuniões intercalares

. sindicatos

. sócrates

. tlebs

. violência nas escolas

. todas as tags

.número de visitas (desde 25/03/06)

Free Website Counter
Free Website Counter
Terça-feira, 27 de Junho de 2006

A educação e o Portugal-Holanda

Num tempo em que o país mergulhou na futebolândia, o futebol também será o tema deste texto, numa analogia com o que ocorre na educação.

A ideia surgiu-me a propósito do comportamento dos jogadores portugueses e holandêses no último jogo Portugal-Holanda.

Profissionais que estão a ser pagos da forma como são, para jogar na selecção, não têm o direito de ter aquele tipo de comportamento.

Eles, que são apontados como exemplo para a juventude, que com a cumplicidade do governo são apontados como estando a representar Portugal, quando na verdade são um grupo profissional em representação da Federação Portuguesa de Futebol e pagos por esta milionariamente, deveriam ser publicamente criticados pelos seus actos.

Na proposta de ECD do Ministério da Educação está uma alínea no que concerne aos deveres dos professores que afirma: “ Demonstrar… equilíbrio emocional nas mais variadas circunstâncias”

Um professor se o agredirem deve demonstrar… equilíbrio emocional, se o insultarem deve demonstrar… equilíbrio emocional, se for humilhado deve demonstrar… equilíbrio emocional, no entanto vemos os lideres políticos a aplaudirem a falta de equilíbrio emocional de um grupo de futebolistas mal comportados, que insistem em afirmar que representam Portugal.

É impressionante como o “jornalismo de cachecol” das nossas televisões aplaude a “falta bem tirada por Figo”. É este aplauso que incita a sociedade portuguesa a agir como o fez na epidemia que grassou em Guimarães há uns anos na semana das provas globais. É o chamado chico-espertismo nacional.

Ainda a propósito do mesmo jogo há uma outra analogia com a educação. Quase toda a gente refere que a arbitragem foi péssima. Mas porquê? Ainda não vi nenhum dos críticos referir que tenha havido um único cartão amarelo mal aplicado. Há quem refira até que deveria ter havido mais. Então o que é que esteve mal? Não houve espectáculo e o importante não é o cumprimento das regras do futebol mas sim a existência de espectáculo.

Para os críticos, apesar das regras indicarem que deveriam ser mostrados os cartões amarelos, o árbitro não o deveria fazer. A culpa é dele e não dos jogadores mal formados.

Na educação há situações semelhantes. Todos acham que o professor deve disciplinar, mas se numa sala de aula, para que esta decorra normalmente, o professor tiver que retirar regularmente alunos da sala, a culpa passa a ser do professor e não do aluno que se porta mal.

Se o professor é muito exigente e obriga os seus alunos a trabalhar muito, toda a gente acha bem. Enquanto leccionar uma turma de bons alunos que cumprem as indicações e trabalham, esse professor é um “ génio da pedagogia e do bom trabalho”, quando os alunos não cumprem, não estudam e começam a surgir as reprovações o professor já não presta, embora os alunos possam não trabalhar nada.

A culpa é do professor e não do aluno que não estuda.

A exigência deixa de ser importante, para que apareça o espectáculo, (neste caso, a estatística dos bons resultados).

tags:
publicado por Paulo às 15:06
link do post | favorito
|

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30