.links

.posts recentes

. A derrota

. Março de 2007. Lembram-se...

. O Estado a que chegámos

. O próximo passo

. Não será um caso de imped...

. O futuro está aí.

. Será que já batemos no fu...

. Uma acção de formação

. Três notas soltas

. Terminar a tarefa

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. (des)informação

. 1º ciclo

. aulas de substituição

. autarquias

. avaliação

. avaliação dos professores

. boatos

. carreira docente

. conselho das escolas

. conselho pedagógico

. dizer bem

. educação para a saúde

. educação sexual

. eduquês

. encarregado de educação

. ensino básico

. ensino secundário

. escola

. escolaridade obrigatória

. exames

. faltas dos professores

. gestão escolar

. horários

. indisciplina

. informática

. josé sócrates

. josé socrates

. manuais escolares

. ministério da educação

. ministra da educação

. política

. políticos

. professores

. programas

. prolongamento do horário

. provas de aferição

. rede escolar

. reuniões intercalares

. sindicatos

. sócrates

. tlebs

. violência nas escolas

. todas as tags

.número de visitas (desde 25/03/06)

Free Website Counter
Free Website Counter
Segunda-feira, 12 de Junho de 2006

Onde estava a Ministra da Educação...?

Há alguns anos atrás num programa de televisão foi popularizada uma pergunta que era feita aos entrevistados: onde estava no 25 de Abril?

Neste momento apetece-me perguntar à Ministra da Educação: onde estava quando uma professora foi agredida numa escola básica no Lumiar, em Lisboa?

Depois de tanto denegrir a imagem dos professores, culpando-os de todos os problemas da educação, de tanto contribuir para o degradar a imagem da classe docente, seria de esperar que, perante o acto de violência praticado pelos familiares de um aluno contra uma professora, a Ministra da Educação viesse aos órgãos de comunicação social, (no mínimo), ou comparecesse na escola em causa, (a melhor atitude), defendendo a professora e mostrando ao país que está ao lado da classe docente.

Que sucedeu? O silêncio e a ausência.

A Ministra da Educação perdeu uma boa oportunidade de mostrar inequivocamente aos professores de que lado está nesta questão da violência escolar.

Perante este silêncio espero não ver surgirem brevemente vozes oficiais, (ou oficiosas), a fazerem coro com alguns idiotas que já vagueiam pelas ondas hertezianas, e por outras meios de comunicação, culpando os professores da violência escolar.

Já têm tantas culpas, que mais uma menos uma….

 

publicado por Paulo às 18:18
link do post | favorito
|

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30